novembro 2017
D S T Q Q S S
« out   dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

:: 20/nov/2017 . 19:03

Coletivo “Salve o Nilton” divulga Carta Aberta ao governador Rui Costa

O coletivo “Salve o Nilton” divulgou carta aberta para o governador Rui Costa contra o fechamento do Colégio Estadual Nilton Gonçalves.

Olá, governador Rui Costa. Integramos o Coletivo #Salve o Nilton, que reúne lideranças comunitárias dos bairros Nenzinha Santos, Ibirapuera, Bruno Bacelar e Nossa Senhora Aparecida, pais, mães, alunos, professores e profissionais da educação do Colégio Estadual Nilton Gonçalves.

Estamos ocupando este espaço para solicitar que reconsidere a decisão de fechamento de nossa escola. Acreditamos que tal medida foi tomada a partir de um parecer técnico desprovido do mínimo conhecimento da importância desse colégio para uma comunidade composta de mais de 15 mil habitantes.

Sabemos do peso imposto à chefia do executivo estadual e do quanto este cargo o ocupa com as mais diversas urgências, impossibilitando-o de conhecer pessoalmente nossa unidade educacional e a realidade de sua comunidade. No dia 13, segunda-feira, a escola recebeu a visita de um de seus assessores.

Ele conversou com professores, funcionários e visitou a comunidade do Bruno Bacelar. Ele pode relatar-lhe o que viu, o que sentiu e se esta escola deve ser realmente fechada. Como já mencionamos em uma “Carta aberta à comunidade”, o Colégio Estadual Nilton Gonçalves é a única escola estadual que atende a uma comunidade de mais de 15 mil pessoas. É a única presença material e física do governo estadual que ainda existe em bairros importantes e populosos da zona oeste de nossa cidade: Bairro Ibirapuera, Nossa Senhora Aparecida, Nenzinha Santos, Alvorada e Bruno Bacelar – já que o Hospital Afrânio Peixoto também foi fechado.

Acreditamos na sensibilidade social de alguém com seu passado, filho de uma mulher que se dedicou tanto a demandas sociais, a sra. Maria Luzia Costa dos Santos, sempre no empenho pelas causas alheias. Acreditamos na sensibilidade para não fechar uma escola que, mesmo com uma estrutura não adequada, é abraçada tão afetivamente pelos seus quase 800 alunos.

Se o Colégio Nilton Gonçalves é a única unidade de ensino estadual alugada em nossa cidade, é louvável a iniciativa em acabar com tal prática – alugar imóveis para um serviço tão essencial como a educação. Mas sabemos que uma das ferramentas importantes da administração é o planejamento. Fechar uma escola de última hora, deixando o vazio para a nossa comunidade não é planejar. Por que não houve o planejamento para a realização de tal atitude? Por que não se pensou antecipadamente e, ao fechar esta unidade de ensino, não ofereceu um prédio próprio para a comunidade? É digno que o Estado se preocupe com a redução de gastos e despesas, mas por que cortar na carne de quem mais precisa?

O que pesa no fechamento de uma escola como o Nilton Gonçalves não são apenas questões como a transferência de alunos para outras escolas mais afastadas ou a mudança de professores para outras unidades. Pesa o impacto social que trará para comunidades carentes como as citadas acima. Pesa a incerteza de funcionários de secretaria, merenda, limpeza e administrativos quanto a continuidade de seus empregos. Pesa o rompimento de identidade e pertencimento de alunos que há anos estudam nesta escola. Pesa a intranquilidade de pais e mães quanto ao deslocamento de seus filhos para áreas mais distantes, sabendo da insegurança que toma conta dos bairros periféricos e da vida urbana de uma cidade. Pesa o fato de que, quando se fecha uma escola, única opção de Ensino Médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA), numa área tão populosa, abre-se um vazio social. Pesa a atitude na contramão dos discursos oficiais que reconhecem amplamente a importância da educação para um país, para um povo e para o desenvolvimento. Pesa a contradição entre discurso e prática. Pesa a insensibilidade de quem fecha uma escola a partir de relatórios frios e alheios a realidade de uma comunidade. Pesa o descuidado e a desatenção.

Mas nós, do Coletivo #Salve o Nilton, temos convicção de que mais fortemente pesará em vossa consciência a máxima de Paulo Freire: “Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.”

Vitória da Conquista, novembro de 2017.

Conquista: Bandidos invadem papelarias no ‘Beco da Tesoura’, no centro da cidade

Bandidos tocaram o terror na madrugada desta segunda-feira (20) na Alameda Lima Guerra, conhecida popularmente como ‘Beco da Tesoura’, em pleno centro de Vitória da Conquista.

Os suspeitos, ainda não identificados, invadiram duas papelarias e levaram produtos e uma quantia em dinheiro ainda não revelada.

Até câmera de segurança, localizada em um poste, foi levado pelos bandidos. Os suspeitos reviraram tudo e fugiram.

Quando chegaram no local, os proprietários se depararam com as portas dos estabelecimentos arrombadas.

Conquista: Vem aí a Segunda Cavalgada amigos de Excelência

6b500054-32dd-4bb1-88ca-0f0f748e3f6f

Vem aí a segunda cavalgada amigos de excelência, no próximo domingo dia 26 com saída do Bairro Henriqueta Prates com destino a casa de excelência na Ba-262 no povoado do pradoso, vai ser festão e você não pode ficar de fora.

Camisas à venda r$ 50 com direito a churrasco e pizza à vontade locais de venda em libarino no pradoso ou através do telefone 77988674564.

” ESPERANÇA “

Ah , quando DEUS quer , meu irmão e minha irmã, eu te digo com certeza que não tem maldição, palavra contrária, situação, distância, circunstância, nem nada que impeça a vontade dEle.  Não dê atenção quando te falam que nunca o seu sonho vai ser realizado, porque quem dá a última palavra é Deus, e não canso de dizer, que Ele não atrasa , Ele espera o tempo certo para que seja completa a benção! Não tenha pressa, e agradeça desde já, porque a sua vitória vem sim, creia! Está mais perto do que você pode imaginar.
Descansa seu coração. DEUS CUIDA DE TUDO!
E quando você chegar lá, não esquece a primeira coisa a fazer que é AGRADECER a DEUS. Assista:

:: LEIA MAIS »

Carta do #SalveoNilton ao governador Rui Costa

Acreditamos na sensibilidade social de alguém com seu passado, filho de uma mulher que se dedicou tanto a demandas sociais

Olá, governador Rui Costa. Integramos o Coletivo #Salve o Nilton, que reúne lideranças comunitárias dos bairros Nenzinha Santos, Ibirapuera, Bruno Bacelar e Nossa Senhora Aparecida, pais, mães, alunos, professores e profissionais da educação do Colégio Estadual Nilton Gonçalves. Estamos ocupando este espaço para solicitar que reconsidere a decisão de fechamento de nossa escola. Acreditamos que tal medida foi tomada a partir de um parecer técnico desprovido do mínimo conhecimento da importância desse colégio para uma comunidade composta de mais de 15 mil habitantes. Sabemos do peso imposto à chefia do executivo estadual e do quanto este cargo o ocupa com as mais diversas urgências, impossibilitando-o de conhecer pessoalmente nossa unidade educacional e a realidade de sua comunidade. No dia 13, segunda-feira, a escola recebeu a visita de um de seus assessores.

Ele conversou com professores, funcionários e visitou a comunidade do Bruno Bacelar. Ele pode relatar-lhe o que viu, o que sentiu e se esta escola deve ser realmente fechada. Como já mencionamos em uma “Carta aberta à comunidade”, o Colégio Estadual Nilton Gonçalves é a única escola estadual que atende a uma comunidade de mais de 15 mil pessoas. É a única presença material e física do governo estadual que ainda existe em bairros importantes e populosos da zona oeste de nossa cidade: Bairro Ibirapuera, Nossa Senhora Aparecida, Nenzinha Santos, Alvorada e Bruno Bacelar – já que o Hospital Afrânio Peixoto também foi fechado.

Acreditamos na sensibilidade social de alguém com seu passado, filho de uma mulher que se dedicou tanto a demandas sociais, a sra. Maria Luzia Costa dos Santos, sempre no empenho pelas causas alheias. Acreditamos na sensibilidade para não fechar uma escola que, mesmo com uma estrutura não adequada, é abraçada tão afetivamente pelos seus quase 800 alunos.

Se o Colégio Nilton Gonçalves é a única unidade de ensino estadual alugada em nossa cidade, é louvável a iniciativa em acabar com tal prática – alugar imóveis para um serviço tão essencial como a educação. Mas sabemos que uma das ferramentas importantes da administração é o planejamento. Fechar uma escola de última hora, deixando o vazio para a nossa comunidade não é planejar. Por que não houve o planejamento para a realização de tal atitude? Por que não se pensou antecipadamente e, ao fechar esta unidade de ensino, não ofereceu um prédio próprio para a comunidade? É digno que o Estado se preocupe com a redução de gastos e despesas, mas por que cortar na carne de quem mais precisa?

O que pesa no fechamento de uma escola como o Nilton Gonçalves não são apenas questões como a transferência de alunos para outras escolas mais afastadas ou a mudança de professores para outras unidades. Pesa o impacto social que trará para comunidades carentes como as citadas acima. Pesa a incerteza de funcionários de secretaria, merenda, limpeza e administrativos quanto a continuidade de seus empregos. Pesa o rompimento de identidade e pertencimento de alunos que há anos estudam nesta escola. Pesa a intranquilidade de pais e mães quanto ao deslocamento de seus filhos para áreas mais distantes, sabendo da insegurança que toma conta dos bairros periféricos e da vida urbana de uma cidade. Pesa o fato de que, quando se fecha uma escola, única opção de Ensino Médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA), numa área tão populosa, abre-se um vazio social. Pesa a atitude na contramão dos discursos oficiais que reconhecem amplamente a importância da educação para um país, para um povo e para o desenvolvimento. Pesa a contradição entre discurso e prática. Pesa a insensibilidade de quem fecha uma escola a partir de relatórios frios e alheios a realidade de uma comunidade. Pesa o descuidado e a desatenção.

Mas nós, do Coletivo #Salve o Nilton, temos convicção de que mais fortemente pesará em vossa consciência a máxima de Paulo Freire: “Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” Vitória da Conquista, novembro de 2017. As Informações são do Diário Conquistense.

Conquista: Motorista que atropelou motociclista na Sá Barreto é preso por embriaguez sem Sem direito a fiança

Reginaldo de Oliveira Santos, motorista do veículo que bateu numa moto, na noite deste domingo,19, próximo ao antigo Clube Social, passou pelo teste do bafômetro que acusou embriaguez.

Reginaldo foi apresentado na delegacia e autuado em flagrante, sem direito a fiança. O condutor da moto sofreu escoriações leves. A mulher que estava na garupa foi atendida pelo Samu 192 e encaminhada ao hospital com ferimentos moderados. Com Informações do Site Blitz Conquista.