Jovem de 24 anos, moradora de Barreiras, teria escondido a gravidez da família. Após o parto, ela confessou à uma vizinha ter entregue a criança.

Acesse este link para entrar no meu grupo do WhatsApp

Parentes de Adriana Barbosa Marques, de 24 anos, a mulher que fez doação da criança após sair do Hospital do Oeste, no dia 24 de maio de 2018, procuraram a delegacia de Barreiras no sábado (30) para registrar Boletim de Ocorrência e pedir ajuda à Polícia Civil com objetivo de localizar a recém-nascida. Adriana escondeu a barriga durante os nove meses de gestação e até mesmo o nascimento do bebê. O eletricista Gilvan Barbosa da Guarda diz que descobriu o parto de sua sobrinha, ao encontrar com uma enfermeira do hospital, a qual perguntou sobre o estado de saúde da mãe e da filha. “A enfermeira é nossa amiga e acompanhou o nascimento da criança no HO”.

Surpreso com a notícia, ele alega que a procurou imediatamente para questionar o local onde estava a neném e por qual motivo havia escondido a gravidez. Ressalta que ela confessou a doação ilegal para sua vizinha de apartamento, Suely Silva, residente no bairro Recanto dos Pássaros, e que o processo de adoção foi intermediado pela enfermeira Tatiana dos Santos Sales, a qual também é sua vizinha. “Ela tinha o número do telefone da Suely, mas tentei contato e não consegui e não encontrei essas pessoas nos endereços que nos deu”.

Na manhã de hoje, Gilvan entregou ao delegado José Romero, titular da 1ª Delegacia Territorial de Barreiras, o contato telefônico de uma jovem de prenome “Jana”, com quem Adriana trocou mensagens no Facebook e via WhatsApp, perguntando se suas amigas tinham levado leite e as roupinhas do bebê. “A doação não ocorreu de forma legalizada, além do mais, pode ser uma situação de tráfico de crianças em Barreiras. Queremos providências urgentes!”, ressaltou. Segundo o Alô Salomão, no complexo policial do bairro Aratu, o aposentado Paulo Trajano Marques, avô de Adriana, informou ao delegado que sua neta está realizando tratamento de depressão pós-parto, em Brasília/DF, onde ele reside com sua esposa. “Se arrependeu do que fez e está chorando o tempo inteiro perguntando pela filha”, comentou. José Romero já iniciou investigação da denúncia e promete realizar diligências para tentar localizar, Suely, Tatiane, Jana e principalmente a criança.

Mulher que conversou com a mãe se apresenta

A mulher identificada por “Jana”, uma das pessoas apontadas como suspeita de envolvimento no desaparecimento do bebê de Adriana Barbosa Marques, de 24 anos, compareceu espontaneamente ao complexo policial de Barreiras na tarde de hoje (04), onde esclareceu ao delegado José Romero que teve apenas um diálogo informal pelo whatsapp com a mãe da criança, a quem conheceu na porta do hospital. De acordo com o delegado, Jana ficou preocupada com a situação da bebê e também de Adriana, que falou do seu estado de saúde e da falta de leite e roupas para a recém-nascida, entretanto ofereceu ajuda, em seguida passou o número do seu telefone para ela. A mesma não confirmou troca de diálogo pelo facebook. Na manhã de hoje, o tio de Adriana, o eletricista Gilvan Barbosa da Guarda entregou ao delegado, o contato telefônico de “Jana” e prints do bate-papo entre ambas. “Estamos em busca de novas informações das demais pessoas mencionadas por Adriana em suas conversações telefônicas e pedimos à população que também nos ajude”. Quem tiver informações importantes sobre o caso deve entrar em contato com a Polícia Civil através do Disque-Denúncia: 197.