Mulher de 37 anos, que alegou sofrer ameaças e abuso da vítima, pode pegar prisão perpétua. Caso é julgado nos EUA.

Andira Abdelaziz, uma palestino-americana, está sendo julgada no Texas pela morte do sobrinho de 25 anos, com quem manteria um relacionamento secreto. Andira, de 37 anos, assumiu ter matado Mohammed Abdelaziz, em agosto de 2016, depois de ter sido ameaçada e abusada por ele, informa o Daily Mail. A mulher, que alega inocência, disse que foi repetidamente criticada pelo sobrinho, e que este a agrediu diversas vezes em público.

Além disso, as ameaças de morte, segundo a suspeita, teriam durado três anos, tempo em que se relacionaram. Andira chegou a ser atacada pelo rapaz, mas nunca prestou queixa. No dia em que o esfaqueou, a polícia esteve em sua casa, após um alerta de assalto. Andira disse aos agentes que deveria ser um engano e, quando eles saíram, esfaqueou Mohammed nas costas, deixando-o sangrar até a morte. Se for acusada pelo crime, Andira poderá pegar pena de prisão perpétua.