Tamara Maiochi, 30 anos, morreu após sofrer um choque hemorrágico, anemia e hemorragia aguda. Tragédia ocorreu durante jogo entre Brasil e a Servia.

A irmã de Tamara Maiochi, 30 anos, que morreu depois de cair e cortar o pescoço em estilhaços de uma taça de vidro quando comemorava a vitória do Brasil contra a Sérvia, na Copa do Mundo, descartou que um resgate mais rápido fosse capaz de salvar a contadora. Tamara morreu após sofrer um choque hemorrágico, anemia e hemorragia aguda. Tamara estava com a taça na mão e um celular na outra. Em seguida, ela escorregou, foi se apoiar na mesa e a taça atingiu no pescoço. “A taça atingiu milimetricamente a artéria principal que sai do coração e liga ao cérebro.”, contou a irmã Michele Maiochi, ao Uol. Assista a reportagem:

Amigos ainda chamaram a ambulância, mas a contadora não resistiu e morreu rapidamente. “O machucado que matou minha irmã foi um furinho pequeno perto do ossinho da clavícula, mas profundo. O cristal perfurou fundo. E o foi sangramento instantâneo. Muito rápido. Em menos de um minuto, ela já não tinha sinais vitais”, disse a irmã. “A investigação continua, mas tudo indica que realmente foi acidente”, disse o delegado Luciano Carneiro de Paiva. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Jundiaí. O enterro aconteceu em Conchal, também no interior de São Paulo, cidade onde a vítima nasceu. Ela vivia sozinha em Itatiba.

“Estava sentada e vendo o jogo”, diz amigo

gos da mulher, de 30 anos, que morreu após sofrer uma queda e cortar o pescoço com estilhaços de uma taça de vidro, no bairro Recanto em Itatiba (SP), tentam entender a tragédia que ocorreu em poucos segundos. O colega de trabalho Diego Silva, que estava com Tamara Maiochi no momento do acidente, contou ao G1 que ela comemorava a vitória do Brasil sobre a Sérvia pela Copa do Mundo na Rússia, na tarde de quarta-feira (27), quando se desequilibrou de uma cadeira e sofreu um grave ferimento. O rapaz diz que os amigos de Tamara tentaram conter o sangramento enquanto acionaram o resgate, mas ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

“Foi banal. Ninguém imaginava isso, que poderia acontecer com alguém no lugar mais seguro possível: sentada e vendo um jogo”, conta Diego. “Ela conseguiu levantar, mas foi tudo muito rápido”, completa o colega de trabalho da vítima. Segundo o delegado que registrou a ocorrência, peritos estiveram na residência e apontaram o ocorrido como acidente. “Ela estava com a taça na mão e mais um celular na outra. Em seguida, ela escorregou, foi se apoiar na mesa e a taça atingiu o pescoço. A investigação continua, mas tudo indica que realmente foi acidente”, explica Luciano Carneiro de Paiva. O caso foi registrado na delegacia da cidade como morte suspeita. Segundo pai de Tamara, o comerciante João Maiochi Júnior, a filha era divertida, carinhosa e estava muito feliz. “Ia muito bem na carreira, uma pessoa responsável, nunca deu trabalho. Era uma filha muito carinhosa. Estamos muito tristes”, diz.