amília da jovem abusada na UTI de um hospital só soube do crime durante o velório da vítima. Os pais foram comunicados pela delegada responsável pelo caso, pois seria necessário retirar o corpo da estudante do local para realizar novos exames. “Ficamos sabendo da morte dela só quando ela estava sendo velada e foi necessário fazer um novo laudo. Os pais não desconfiavam do abuso, eu que tive que conter para eles, que ficaram muito abalados”, disse a delegada. Assista a reportagem:

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

O abuso aconteceu na madrugada do dia 17 de maio, horas depois de ela ser internada devido a crises convulsivas. No mesmo dia, a estudante denunciou o caso para uma enfermeira e o homem foi afastado do cargo. Porém, devido ao agravamento do estado de saúde, ela morreu no dia 26. “A gente não tinha contado para os pais ainda porque imaginávamos que ela pudesse se recuperar e que pudéssemos ouvi-la depois. E os pais não tinham muito a contribuir com as investigações, por isso não tinham sido comunicados ainda”, explicou.

A polícia acredita que o abuso não tenha relação direta com a morte da jovem, que foi internada devido a uma crise convulsiva. “Mas não sabemos até que ponto, esse abalo emocional pode ter influenciado ou piorado o estado de saúde dela”, completou a delegada. O pai da jovem ainda vai prestar depoimento à polícia antes da conclusão do inquérito. O técnico de enfermagem Ildson Custódio Bastos, de 41 anos foi preso na quarta-feira (29) e ficou em silêncio diante da delegada. Ele vai responder por estupro de vulnerável.

O advogado dele, Leonardo Silva Araújo, disse que o cliente se declarou inocente e que não se apresentou antes porque temia pela vida. “Começaram a divulgar a foto dele e tinha um áudio em grupos de mensagem pedindo ajuda para achá-lo. Ele, então, se escondeu e decidiu se apresentar hoje até por questão de segurança”, disse. O defensor disse ainda que espera ter acesso às imagens da câmera de segurança para se inteirar melhor do caso e dar mais declarações.

Imagens

A delegada explicou ainda que as imagens da câmera que ficava no leito de UTI em que a jovem estavam mostram os abusos “de maneira clara”. O homem fecha a cortina e com a mão direita toca nas partes íntimas da paciente, que está entubada e com as mãos amarradas à cama devido ao quadro de saúde dela. Meotti contou que o abuso dura cerca de 1h. Durante esse tempo, ela teve momentos de consciência e tentou reagir ao estupro. “Em alguns momentos ela se mexe e chega quase a cair da cama, se debatendo e tentando escapar”, contou.

Nova suspeita

Após a prisão do técnico de enfermagem suspeito de estuprar a jovem dentro da UTI de um hospital mais uma denúncia de possível abuso sexual na mesma unidade foi feita na quarta-feira (29) pela família de uma idosa de 82 anos na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). Segundo a família da idosa Antônia Vieira Marciel contou à polícia, a aposentada estava com doença renal crônica e pneumonia, e morreu cinco dias depois de receber alta da UTI. De acordo com a filha da idosa, Edna Vieira de Souza, quando a mãe ficou internada, em dezembro do ano passado, contou para ela ter sido tratada com muita truculência e que um enfermeiro colocou o dedo nas partes íntimas dela.

Segundo advogado, suspeito se apresentou por temer por sua segurança, em Goiás â?? Foto: Reprodução/TV Anhanguera

“Nós iremos instaurar um novo inquérito para apurar o novo fato”, disse a delegada da Deam, Paula Meotti. O Hospital Goiânia Leste informou que, ao receber a denúncia de abuso de uma paciente de 21 anos, por uma técnica de enfermagem, “tomou as primeiras medidas” e que o “técnico de enfermagem acusado pela paciente foi imediatamente suspenso e afastado da sua função”. Também de acordo com a unidade de saúde, foi registrado um boletim de ocorrência pelos responsáveis da UTI, no último dia 21 de maio. Nessa mesma data, o funcionário “foi demitido por justa causa”. A nota informou ainda que “a causa da morte da paciente, em 26/05/2019, não possui qualquer relação com os tristes fatos ocorridos” (leia abaixo nota na íntegra).

Nota do Hospital Goiânia Leste:

No dia 17 de maio de 2019, os responsáveis pela UTI do Hospital Goiânia Leste receberam a denúncia de abuso sexual da paciente de 21 anos por meio de uma das técnicas de enfermagem da equipe. No mesmo momento, a direção tomou as primeiras medidas com o objetivo de proteger a paciente e investigar o ocorrido.

O técnico de enfermagem acusado pela paciente foi imediatamente suspenso e afastado da sua função. Um boletim de ocorrência com a denúncia foi registrado pelos responsáveis da UTI na Delegacia da Mulher, no dia 21/05/2019 e o funcionário foi demitido por justa causa nesse mesmo no dia. Posteriormente, também por iniciativa da empresa de UTI, o vídeo que mostra o suposto assédio do ex-funcionário, consistente num possível toque nas partes íntimas da paciente, também foi entregue à delegada responsável pelo caso. Cada um dos 20 leitos geridos pela UTI possui câmera individualizada, que funciona e grava toda a movimentação da UTI, 24 horas por dia. Ao ex-funcionário foi dada a oportunidade de ver as imagens, o que foi recusado por ele.

Além de ter tomado as medidas necessárias sobre a denúncia, coube aos diretores da empresa de UTI comunicar aos pais da paciente sobre o fato e sobre as medidas já tomadas. Esclarece, por fim, que a causa da morte da paciente, em 26/05/2019, não possui qualquer relação com os tristes fatos ocorridos. A empresa está à disposição das autoridades para fornecer qualquer informação adicional que possa ajudar na investigação da denúncia”.