Nesta quarta-feira (1°), o Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região enviou ao poder público de Conquista, Brumado, Itapetinga, Livramento de Nossa Senhora e Poções um novo ofício cobrando medidas de enfrentamento à aglomeração de pessoas nas agências bancárias da região.

No documento, a diretoria reitera que se os órgãos responsáveis não garantirem, conforme as recomendações do Ministério da Saúde, uma distância de no mínimo dois metros na fila – caso os clientes não tenham máscara – ou de um metro – se estiverem usando -, o risco de contaminação é altíssimo. A região com atuação do Sindicato já possui casos confirmados de Covid-19 em Conquista e Brumado.

Contudo, nos cinco municípios citados enormes filas continuam se formando nas unidades bancárias, já que as medidas de fechamento parcial do comércio não incluíram os bancos. No último dia 23, o Sindicato já havia encaminhado ofícios às prefeituras solicitando providências que evitassem a aglutinação de pessoas nos bancos, mas não obteve respostas.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

“Com a confirmação de cada vez mais casos do coronavírus e em mais cidades da Bahia, vai ficando evidente a necessidade de manter o afastamento e o isolamento das pessoas para diminuir o ritmo de contaminação. Para garantir a integridade de bancários e clientes, nós estamos encaminhando para as administrações municipais uma solicitação de apoio para organizar as filas nas portas das agências, de modo a respeitar a distância mínima de segurança estabelecidas pela OMS e pelo Ministério da Saúde, e assim tentar evitar as aglomerações nas portas dos bancos. Estamos também passando nas agências para verificar se os bancos estão adotando as medidas de proteção aos bancários, para orientar a categoria sobre as formas de garantir a segurança dos que estão nas agências e sobre o funcionamento das salas de autoatendimento. Tudo isso com vistas a proteger a categoria e os clientes”, afirma Leonardo Viana, presidente do SEEB/VCR.