junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

:: ‘Mundo’

Incêndio de avião em Moscou mata 41 passageiros

A porta-voz do Comitê de Instrução da Rússia, Elena Markovsksya, informou que 41 pessoas morreram no incêndio ocorrido em um avião de passageiros que realizou uma aterrissagem de emergência neste domingo (5) no aeroporto Sheremetievo em Moscou, na Rússia. De acordo com o órgão, dos 78 ocupantes do avião modelo Sukhoi Superjet 100, que pertence à companhia estatal de aviação russa Aeroflot, apenas 37 sobreviveram ao acidente. A aeronave tinha decolado do aeroporto Sheremetievo com destino à cidade de Murmansk, no noroeste do país. Minutos depois, os pilotos relataram à torre de controle que houve problemas a bordo e decidiram retornar e efetuar uma aterrissagem de emergência com o avião em chamas. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, expressou condolências aos parentes das vítimas e deu instruções para que recebam todo tipo de assistência, informou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.Ainda não foi revelado o problema que obrigou os pilotos a retornarem ao aeroporto, embora uma fonte citada pela agência Tass tenha apontado como a causa mais provável o impacto de um raio na aeronave.

Mundo: Mexicano que matou cachorro em bar não foi morto e continua sendo procurado

A notícia surgiu na segunda quinzena de janeiro de 2019 nas redes sociais e em diversos sites e blogs. De acordo com o texto, o homem que apareceu em um vídeo esfaqueando um cachorro em um bar teria sido encontrado morto com mais de 50 facadas! O corpo do homem teria sido encontrado em um porta-malas de um carro, na cidade de Piedras Negras, no México. Segundo o que se espalhou por aí, o agressor do cachorro indefeso teria sido vítima de justiceiros que se revoltaram com o crime cometido por ele. Será que isso é verdade ou mentira?

Fake news

A notícia espalhada usa uma história que deixou muita gente revoltada e diz que o agressor do cão “teve o que mereceu”: Foi executado pela população – que fez justiça com as próprias mãos – sofrendo o mesmo que o cachorro sofreu. Além disso, a notícia também não mostra nenhuma prova de que o fato teria ocorrido mesmo. Esse enredo lhe é familiar? Pois bem, se você arriscar dizer que quem inventou isso foi o site O Congresso, acertou! O site O Congresso publicou a “notícia” sem citar nenhuma fonte e, para quem não conhece, é o mesmo site que espalhou a fake news afirmando que o covarde que foi flagrado agredindo a namorada teria sido espancado pelos amigos da vítima, dentre várias outras.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

:: LEIA MAIS »

Tristeza: Esposa do técnico do ABC é encontrada morta em casa, com sinais de suicídio

A paulista Ana Letícia Rezende Fernandes Queiros, de 39 anos, foi encontrada morta, na noite deste sábado (5), em Parnamirim, na Região Metropolitana de Natal. Ela era esposa do técnico do ABC, Ranielle Ribeiro, e mãe de um menino de 6 anos. O ITEP-RN (Instituto Técnico-Científico de Perícia) apontou que ela morreu por enforcamento. Agora o caso será acompanhado pela Polícia Civil, que já fez um pedido de perícia para investigação. O resultado deve sair em 30 dias.

Existem poucas informações sobre o caso por enquanto. O portal “OP9” apurou que Ana foi encontrada morta em casa, pelo irmão, que depois deu a informação a Ranielle. O velório e o sepultamento de Ana Leticia aconteceram neste domingo (6), no Cemitério Morada da Paz, em Emaús. O ABC declarou luto de 3 dias por causa da morte de Ana Leticia. Outros clubes também já se manifestaram para lamentar o ocorrido, inclusive o rival América-RN.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Morre aos 94 anos George Bush, último presidente dos EUA na Guerra Fria

O ex-presidente americano George Herbert Walker Bush morreu no início da madrugada deste sábado (1º), aos 94 anos. O anúncio foi feito pelo porta-voz da família, Jim McGrath, às agências de notícias internacionais.

“Jeb, Neil, Marvin, Doro e eu estamos tristes em anunciar que, após 94 extraordinários anos, nosso querido pai morreu”, disse seu filho, o 43º presidente dos Estados Unidos George W. Bush, na nota divulgado por McGrath.

“George HW Bush era um homem do mais alto caráter e o melhor pai que um filho ou filha poderia pedir. Toda a família Bush está profundamente grata pela vida e amor do 41º, pela compaixão daqueles que se preocuparam e oraram pelo papai, e pelas condolências dos nossos amigos e parceiros cidadãos.”

George Herbert Walker Bush foi o último presidente dos EUA a ter lutado na Segunda Guerra Mundial, a mais popular da história do país, e um dos cinco no século 20 que perderam a reeleição. Seu governo registra uma grande vitória militar em 1990, a operação “Tempestade no Deserto”, que pôs fim à ocupação militar do Kuait pelo Iraque, e contou com grande respaldo da comunidade internacional e da opinião pública americana.

Foi também na sua administração que terminou a Guerra Fria, com a queda do Muro de Berlim em 1989, seguida da dissolução da União Soviética e do estabelecimento por Bush e Mikhail Gorbachev da parceria estratégica entre Rússia e EUA, em 1991, destroçada ao longo desta década.

Em grande parte devido a esses fatos, Bush registrou na primeira metade de seu único mandato altíssimos níveis de popularidade, comparáveis aos que seu filho, George W. Bush, obteria logo após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Mesmo assim, perdeu a reeleição em 1992 para Bill Clinton, e teve por muito tempo de se explicar pela decisão de, na sequência da “Tempestade no Deserto”, não ter mandado suas tropas até Bagdá para derrubar o presidente Saddam Hussein, algo que seu filho faria em 2002.

Ele disse em 2008 que derrubar Saddam teria “acarretado incalculáveis custos humanos e políticos… e seríamos obrigados, de fato, a governar o Iraque”. Sábia avaliação, como os fatos demonstrariam no século 21.

A debacle americana no Iraque a partir de 2003 foi um dos fatores para a reavaliação pública da figura do 41º presidente americano, que nos 20 anos seguintes à sua maior derrota eleitoral gozou de crescente prestígio.

Bush nasceu em 12 de junho de 1924 em família abastada e influente da elite da Nova Inglaterra. O pai, Prescott, foi banqueiro e senador. Frequentou excelentes escolas, e se formou em economia por Yale.

No dia seguinte ao ataque japonês a Pearl Harbor, com 18 anos, alistou-se na aviação da Marinha. Realizou dezenas de missões como piloto no Pacífico. Em uma delas, foi abatido em voo, mas um submarino o resgatou.

De volta à pátria, casou-se com Barbara Pierce (com quem teve seis filhos, uma das quais morreu de leucemia aos quatro anos) e resolveu se iniciar na vida empresarial, no negócio de petróleo no Texas, onde também começou a fazer política.

Com as bênçãos do popularíssimo Ronald Reagan, ganhou com facilidade a indicação do Partido Republicano para concorrer à Casa Branca em 1988 contra o eleitoralmente fraco Michael Dukakis. Venceu com 53,4% dos votos populares e 426 dos 538 do Colégio Eleitoral.

Na campanha, entretanto, Bush disse uma frase que o ajudou a ganhar votos, mas, depois, contribuiu muito para sua derrota em 1992: “Leiam os meus lábios: mais impostos, não”, uma promessa não cumprida, como seus adversários quatro anos depois exaustivamente lembrariam. Leia mais AQUI

EUA vão perder até 10% do PIB com piora no clima, aponta relatório

O impacto causado por mudanças climáticas fará a economia americana encolher 10% até 2100 de acordo com relatório divulgado ontem (23) pela Casa Branca. O estudo foi feito por especialistas das principais agências ambientais federais americanas.

A avaliação estima o impacto climático para a economia dos EUA especificamente: US$ 141 bilhões em custos por mortes relacionadas ao calor, US$ 118 bilhões pelo aumento do nível do mar e US$ 32 bilhões de danos de infraestrutura até o final do século, entre outros. Os danos significariam mais do que o dobro das perdas da recessão de 2008.

O relatório é o segundo volume da Avaliação Nacional do Clima, que o governo federal é obrigado por lei a produzir a cada quatro anos. O primeiro volume foi divulgado pela Casa Branca no ano passado.

Brasil: Alegando declarações “ameaçadoras” de Bolsonaro, Cuba anuncia saída do “Mais Médicos”

O governo de Cuba informou nesta quarta-feira (14) que decidiu sair do programa social Mais Médicos, citando “referências diretas, depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo presidente eleito Bolsonaro à presença dos médicos cubanos no Brasil. O país enviou profissionais para atuar no Brasil desde 2013, quando o governo da então presidente Dilma Rousseff criou o programa para atender regiões carentes sem cobertura médica. “O Ministério da Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do Programa Mais Médicos e assim comunicou a diretora da Organização Pan-Americana de Saúde [OPAS] e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam a iniciativa”, diz a nota do governo.

O comunicado não diz a data em que os médicos cubanos deixarão de trabalhar no programa. A OPAS disse que foi comunicada da decisão, sem dar mais detalhes: “Cuba comunicou à Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e a OPAS comunicou a decisão ao Ministério da Saúde do Brasil”, disse em nota enviada ao G1. Em agosto, ainda em campanha, Bolsonaro declarou que ele “expulsaria” os médicos cubanos do Brasil com base no exame de revalidação de diploma de médicos formados no exterior, o Revalida. A promessa também estava em seu plano de governo. Fora do Mais Médicos, os formados no exterior não podem atuar na medicina brasileira sem a aprovação no Revalida. Mas no caso do programa federal, todos os estrangeiros participantes têm autorização de atuar no Brasil mesmo sem ter se submetido ao exame.

“Nós juntos temos como fazer o Brasil melhor para todos e não para grupelhos que se apoderaram do poder e [há] mais de 20 anos nos assaltam e cada vez mais tendo levado para um caminho que nós não queremos. Vamos botar um ponto final do Foro de São Paulo. Vamos expulsar com o Revalida os cubanos do Brasil”, declarou Bolsonaro em pronunciamento realizado em Presidente Prudente (SP). “Qualquer estrangeiro vindo trabalhar aqui na área de medicina tem que aplicar o Revalida. Se você for pra qualquer país do mundo, também. Nós não podemos botar gente de Cuba aqui sem o mínimo de comprovação de que eles realmente saibam o exercício da profissão. Você não pode, só porque o pobre que é atendido por eles, botar pessoas que talvez não tenham qualificação para tal”, justificou.

Após a decisão do governo cubano, se manifestou pelo Twitter dizendo: “Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou.” Em novembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) validou o Mais Médicos e autorizou a dispensa da validação de diploma de estrangeiros ao julgar ações que questionavam pontos do programa federal, como acordo que paga salários mais baixos para médicos cubanos. A atuação dos médicos cubanos no Brasil gera polêmica desde a criação do Mais Médicos. No entanto, o programa contrata profissionais de várias nacionalidades, e não apenas cubanos. No Mais Médicos, pouco mais da metade – 8.556 dos 16.707 participantes – vêm da ilha caribenha, de acordo com dados obtidos pelo G1. Todos os profissionais, independentemente do país de origem, precisam ter diploma de medicina expedido por instituição de ensino superior estrangeira, habilitação para o exercício da profissão no país de origem e ter conhecimento de língua portuguesa, regras de organização do SUS e de protocolos e diretrizes clínicas de atenção básica.

Pela sexta vez consecutiva, dólar opera em alta: R$ 4,0732

Às 11h45, a moeda norte-americana estava cotada a R$ 4,0732. Foi a sexta alta consecutiva. Ontem (21), o dólar fechou o dia acima de R$ 4, em R$ 4,049, pela primeira vez em dois anos e meio, desde fevereiro de 2016. A alta do dólar em comparação ao real coincidiu com a divulgação de novas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República e a indefinição do cenário político.

Depressão não é preguiça e nem desculpa, depressão é luta.

Ah, como eu queria que fosse frescura, como eu queria que fosse uma fase, como eu queria que fosse preguiça e que só a vontade bastasse para mudar tudo aquilo. O que ninguém entendia era a autoestima perdida e o desencanto que se fazia presente.

Já ouvi várias coisas a respeito da depressão. Já a nomearam como “frescura” e dizem ser coisa de quem não tem o que fazer. Já falaram para eu ocupar minha cabeça e parar de pensar besteira. Falaram que eu deveria trabalhar mais, estudar mais e deixar de pensar em todas essas loucuras.

Já falaram, também, que só reclamo e que uso o termo depressão porque me convém, para que as pessoas acabam tendo pena de mim. Outros já se incomodaram com o meu choro e falaram que eu precisava ir ao psiquiatra com urgência.

O que ninguém entendia, porém, era o medo que eu sentia de falar das minhas dores, era o peso da angústia em me manter acordada, era o fato de eu buscar o refúgio dormindo para me esquecer da dor e fazer o tempo passar mais rápido. Era a luta de todos os dias de ter de enfrentar o seu “eu” em pedaços e, depois, juntá-lo novamente.

Ninguém entendia o quanto eu queria sair daquilo: era uma como uma prisão. Eu era prisioneira de medos, fracassos, mágoas e angústia. Ninguém entendia que eu não via mais graça em nada e isso não tinha nada a ver com antipatia. Não entendiam que a força que me puxava para cama era bem maior do que a que me encorajava a levantar dela e sair para o mundo para ver e conhecer pessoas. Eu não tinha forças para falar, saudar alguém ou mesmo me arrumar. Eu me olhava no espelho e gostava do meu pijama velho, rasgado e do meu cabelo bagunçado. Eu não me preocupava com isso, pois a bagunça e os rasgos eram bem maiores dentro de mim.

Ah, como eu queria que fosse frescura, como eu queria que fosse uma fase, como eu queria que fosse preguiça e que só a vontade bastasse para mudar tudo aquilo. O que ninguém entendia era a autoestima perdida e o desencanto que se fazia presente.

Ninguém conseguia ver a minha luta diária para virar a página, como eu me sentia impotente demais diante de tanta dor e, quantas vezes, eu não pensei em entregar os pontos.

Quantas vezes eu chorei sozinha no banheiro para ninguém ver, quantas vezes eu quis dormir e acordar leve. Nunca chame algo assim de falta de fé ou de falta de Deus. Depressão não tem a ver com falta de religiosidade. Depressão tem a ver com conflitos, com situações que muitas vezes nos jogam no buraco. Depressão não é fraqueza e está bem longe disso.

É como estar no meio da maré e ela querer te levar: você tenta, com todas as suas forças, mas uma hora cansa. A tal da depressão quase me levou e ela pode levar muita gente, se continuarem acreditando ser frescura, se continuarem achando que o outro precisa de motivos para as suas dores, que é falta de vontade ou que, sei lá, a pessoa é muito sentimental. Pode levar muita gente, como já tem levado, porque muitos continuam acreditando que remédios bastam e que ”é fase e vai passar”.

Sabe, as pessoas querem ser ouvidas, elas têm sede de ver as suas dores acolhidas. Mas, em meio a tantos julgamentos e conceitos errados, eu preferia me calar, mesmo que isso não parecesse tão simpático. Era mais fácil dizer que estava tudo bem e depois chorar, do que ter que contar sobre mim e ter de ouvir uma resposta desagradável. Era mais fácil inventar desculpa para não sair, do que ter que enfrentar a mim mesma e a todos. Qualquer coisa era mais fácil do que ter que parecer bem.

Ninguém parou para ver a tempestade que havia em mim. Ninguém entendia o quanto eu lutava pra não chorar quando estava rodeada de pessoas e que, cansada de tanto lutar contra esses sentimentos que me sufocavam, na maioria das vezes preferia o meu quarto.

Não é do dia para a noite que você se liberta, é com apoio, é com ajuda, é com acolhimento e muito esforço. É um processo, é um leão que você mata todos os dias dentro de você, é sentir o seu dia tomando cor novamente devagarinho, é aprender a apreciar aqueles filmes velhos de que você tanto gostava e parou de assistir, é ler um livro novo e sentir prazer com cada frase terminada. É conseguir sorrir sem ter que fazer esforço, é olhar no relógio e querer parar o tempo ao invés de acelerá-lo. É ver a graça chegando aos poucos e a alegria fazendo morada. Não sou melhor do que ninguém por não ter me rendido totalmente, só eu sei o quanto era dolorido conviver com aquela dor e a imensa falta de força que sentia todos os dias. No entanto, posso ser melhor do que muita gente que não entende que depressão não é e está bem longe de ser frescura.

Quatro seleções já estão classificadas para a próxima fase da Copa

Quatro seleções já conseguiram classificação para as oitavas de final da Copa da Rússia, e não dependem mais de resultado na rodada final: Rússia (Grupo A), Uruguai (Grupo A), França (Grupo C) e Croácia (Grupo D). De outro lado, já estão sem chances as seleções do Egito (Grupo A), Arábia Saudita (Grupo A), Peru (Grupo C) e Costa Rica (Grupo E).

No Grupo E, o Brasil ficou mais próximo de continuar na copa após vencer a Costa Rica por 2 x 0: depende de apenas um empate para conseguir chegar às oitavas. De outro lado, a vitória da Nigéria por 2 x 0 sobre a Islândia manteve as esperanças argentinas de passar à próxima fase, mas situação é difícil. Ainda com chances, a Argentina não depende mais de si para continuar na Copa.

Nigéria, Argentina e Islândia vão disputar a última vaga do Grupo E na última rodada do grupo D, na terça-feira (26), às 15h. A Argentina tem que ganhar da Nigéria e torcer contra a Islândia. Se o time da Terra do Gelo vencer a Croácia, Argentina e Islândia vão disputar a segunda vaga nos critérios de desempate, a começar do saldo de gols. Nigéria pode se classificar até mesmo com empate.

Na última rodada, no mesmo horário das 15h, jogam Islândia x Croácia e Nigéria x Argentina. A Islândia precisa vencer o seu jogo contra a Croácia. Pode ser beneficiada com um empate entre Nigéria e Argentina se fizer melhor saldo de gols. Uma vitória da Argentina pode classificar a Islândia se esta também vencer pela mesma diferença de gols.

Situação definida no A
No Grupo A está mais fácil a definição. Rússia enfrenta o Uruguai na segunda-feira (dia 25), às 11h. Vão decidir o primeiro e o segundo lugares do grupo. A Rússia tem o empate a seu favor.

Egito e Arábia Saudita jogam apenas para cumprir a tabela pois não têm mais chances de passar para a segunda fase.

Chances de Portugal no B
No grupo B Espanha, Portugal e Irã disputam as duas vagas nas oitavas de final. Marrocos não tem mais chance mas pode influenciar na definição dos classificados.

A Espanha joga contra Marrocos e só uma derrota põe em perigo sua classificação.

Portugal joga pela vitória e tem o empate como alternativa de classificação. Em caso de derrota quem se classifica é o Irã.

Derrotas simultâneas de Espanha e Portugal classifica o Irã e deixa a outra vaga para ser definida no saldo de gols, ataque mais positivo ou menor número de pontos perdidos com cartões amarelos e vermelhos.

Ninguém tem posição de primeiro ou segundo colocado definidas.

Brasileiro procurado por roubar Correios é detido em estádio na Rússia

Um brasileiro de 31 anos, acusado de participar do roubo a uma agência dos Correios no município de Itarana, no Espírito Santo, foi detido ontem (22) no Estádio Krestovsky, em São Petersburgo, na Rússia, durante a Copa do Mundo. Pela manhã, o local foi palco da vitória do Brasil sobre a Costa Rica.

O homem preso, que não teve a identidade revelada, estava com um mandado de prisão em aberto por determinação da 1ª Vara Federal Criminal do Espírito Santo, por envolvimento no roubo de mais de R$ 26 mil dos cofres da agência.

O foragido utilizava um passaporte italiano quando foi preso e integrava a lista de difusão vermelha de procurados pela Interpol, o que possilibitou a prisão na Rússia.

A prisão foi efetuada por policiais federais enviados para o Centro Internacional de Cooperação Policial (CICP), em Moscou, para atuar nos estádios durante os jogos do Brasil e auxiliar nas ocorrências envolvendo cidadãos brasileiros.

Os agentes agem de forma integrada às autoridades locais, o que permitiu a identificação e a localização do acusado, que poderá ser extraditado, informou a Polícia Federal, por meio de nota.