janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

:: ‘Mundo’

Covid-19: Vacina de Oxford é “segura e induz resposta imune”, indicam resultados preliminares

Vacina teve o efeito esperado pelos pesquisadores nos primeiros estágios. Terceira fase dos testes está ocorrendo no Brasil. Imunização pode requeres 2 doses.

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, anunciaram nesta segunda-feira (20) que, de acordo com resultados preliminares, a vacina da universidade para a Covid-19 é segura e induziu resposta imune no corpo dos voluntários. Os resultados, que já eram esperados pelos pesquisadores, se referem às duas primeiras fases de testes da imunização.

A terceira fase está ocorrendo no Brasil, entre outros países. O efeito deve ser reforçado após uma segunda dose da vacina, segundo os cientistas. Entenda a novidade anunciada:

  • A vacina de Oxford é a mais adiantada, das que estão em pesquisa. Ela está sendo testada também no Brasil

  • Testes iniciais agora apontam que ela é segura e induz o corpo a reagir contra a Covid-19; o resultado é o esperado

  • O resultado não permite ainda concluir se de fato uma pessoa exposta ao Sars-Cov-2 fica imune com a vacina

  • A fase 3, final, ainda está em andamento e ela é que irá determinar se há eficácia num grande número de pessoas

As fases 1 e 2 dos testes, que foram conduzidas simultaneamente no Reino Unido, tiveram 1.077 voluntários. Os ensaios mostraram que a vacina foi capaz de induzir a resposta imune tanto por anticorpos como por células T até 56 dias depois da administração da dose. “Exatamente o tipo de resposta imune que esperávamos”, declarou Andrew Pollard, professor de pediatria na Universidade de Oxford. Os pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos: 543 pessoas receberam a vacina experimental, e outras 534 receberam uma vacina de meningite (o grupo controle). A resposta imune foi medida em laboratório. São necessários mais testes para confirmar se a vacina protege efetivamente a população contra infecções pelo novo coronavírus, explicou Pollard.

Os cientistas ainda não sabem, exatamente, o quanto de resposta imune é necessária para combater a doença, lembrou o cientista. Foi vista uma resposta por células T (células do sistema imune capazes de identificar e destruir outras células infectadas) 14 dias após a dose. Já os anticorpos, capazes de destruir o próprio vírus, foram identificados 28 dias após a administração da vacina. Anticorpos neutralizantes podem se conectar ao vírus assim que eles entram no corpo e impedir que infectem as células. As células T não reconhecem o vírus “sozinho”, mas sim células infectadas com ele e destroem as células. “Os dois sistemas funcionam de forma complementar para combater a infecção”, explicou a cientista Sarah Gilbert, de Oxford. A vacinologista Sarah Gilbert, também de Oxford, explicou que a eficácia da vacina ainda não foi testada em idosos.

Foram divulgadas ainda algumas reações causadas pela vacina. As principais são braço machucado, algum inchaço ao redor da injeção, febre, dores musculares, que são esperadas para vacinas virais. Não houve efeito adverso sério ligado à vacina. “Precisamos de uma amostra maior para determinar completamente a segurança”, explicou Andrew Pollard, sobre a necessidade dos estudos em fase 3. “A nova vacina usa um vírus do resfriado comum (adenovírus) que infecta chimpanzés, que foi enfraquecido para não causar nenhuma doença em humanos e é geneticamente modificado para codificar a proteína spike (S) do Sars-CoV-2 (aquela que o coronavírus usa para invadir as células humanas). Isso significa que, quando o adenovírus entra nas células das pessoas vacinadas, ele também fornece o código genético da proteína S. Isso faz com que as células dessas pessoas produzam a proteína S, e ajuda a ensinar o sistema imunológico a reconhecer o vírus Sars-CoV-2″, explicou Pollard.

Pesquisa adiantada

A vacina pode estar disponível para alguns grupos de risco no Reino Unido até o fim do ano, mas provavelmente não estará para todos, afirmou Sandy Douglas, de Oxford. De acordo com Soraia Smaili, reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o imunizante, se tudo der certo, poderá ter o registro liberado em junho de 2021. Ao todo, 50 mil pessoas participam dos testes em todo o mundo, 10% delas no Brasil: 2 mil em São Paulo, 2 mil na Bahia e outras 1 mil no Rio de Janeiro. O Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Unifesp coordena a aplicação da vacina em São Paulo, que começou em junho com voluntários da área da saúde.

“Com a quantidade de pessoas que estão recebendo a vacina no mundo, é possível que tenhamos resultados promissores no início do ano que vem e o registro em junho”, afirma Soraia Smaili, reitora da Unifesp. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou a vacina de Oxford como a mais adiantada no mundo e, também, a mais avançada em termos de desenvolvimento. Um dos centros que testa essa vacina é coordenado por uma brasileira, a cientista Daniela Ferreira, doutora pelo Instituto Butantan. Roberto Medronho infectologista da UFRJ, em entrevista à Globonews, afirmou que o resultado divulgado nesta segunda era esperado, mas agora foi oficializado. O acordo com o Brasil permitirá que o país adapte a fábrica de Biomanguinhos para produzir a vacina e disponibilizá-la depois da fase três dos ensaios clínicos. “O acordo da Fundação Oswaldo Cruz é benéfico para nós. Envolve não apenas os pacientes recrutados para o teste, mas a transferência [de tecnologia]. Há um acordo para reconfigurar a planta da Biomanguinhos para que depois da fase três ela possa ser produzida”, comentou. A ideia de incluir a população brasileira se dá, também, para testar a eficácia da vacina em um grupo etnicamente mais diverso. A vacina pode ter resultados de diferentes eficácias, de acordo com cada população. Daí a importância de testar em vários países, afirmou Medronho. // G1.

EUA: Trump ameaça regular ou fechar o Twitter após posts serem marcados como “fake”

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira (27) que as plataformas de mídia social “silenciam totalmente as vozes conservadoras” e que irá regulá-las ou fechá-las. A declaração acontece um dia depois que o Twitter indicou que seus usuários “chequem os fatos” em dois posts publicados pelo mandatário americano.

“Os republicanos sentem que as plataformas de mídia social silenciam totalmente as vozes conservadoras. Vamos regular fortemente, ou fechá-las, antes que possamos permitir que isso aconteça. Vimos o que eles tentaram fazer e falharam em 2016. Não podemos deixar uma versão mais sofisticada disso”, escreveu no Twitter. Na terça-feira (26), o Twitter marcou pela primeira vez com o alerta para que seus usuários checassem publicações do presidente americano. As mensagens se referiam à votação nas eleições presidenciais de novembro deste ano. Trump sugere que exista fraude no envio das cédulas aos eleitores pelos correios.

Republicans feel that Social Media Platforms totally silence conservatives voices. We will strongly regulate, or close them down, before we can ever allow this to happen. We saw what they attempted to do, and failed, in 2016. We can’t let a more sophisticated version of that….

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) May 27, 2020

O presidente americano escreveu que “caixas de correio serão roubadas, as cédulas serão falsificadas e até impressas ilegalmente e assinadas de forma fraudulenta”. Um porta-voz do Twitter, citado pelo jornal “New York Times”, afirmou que as marcas nos dois posts desta terça foram incluídas porque os tuítes “contêm informações potencialmente enganosas sobre os processos de votação, e foram rotulados para fornecer um contexto adicional”. Momentos depois, Trump usou o Twitter para acusar a própria rede social de “interferir nas eleições presidenciais de 2020”. O presidente dos EUA ainda chamou veículos de imprensa do país de “fake news”. “O Twitter está sufocando completamente a liberdade de expressão, e eu, como presidente, não vou permitir que isso ocorra!”, tuitou.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Covid-19: Estudo aponta que Coronavírus deixa de ser contagioso a partir do 11º dia /

Pacientes infectados pelo novo coronavírus não podem infectar outras pessoas a partir do 11º dia depois de ficarem doentes, mesmo alguns deles ainda testando positivo para a doença. Esta é a conclusão de um novo estudo realizado em Singapura, publicado no último sábado (23). Na pesquisa, feita em conjunto pelo Centro Nacional de Doenças Infecciosas de Singapura e a Academia de Medicina da região, foram analisados diversos parâmetros em relação a 73 pacientes com covid-19, internados em hospitais localizados na cidade-estado.

Segundo os autores, a maioria dos doentes já não podia mais transmitir a covid-19 após 11 dias do início dos sintomas. No relatório, eles afirmam que a detecção de RNA viral pode persistir em alguns pacientes, mas isso “não equivale à infecciosidade ou a vírus viável”, não trazendo riscos de contágio. Artigos publicados em outros países já haviam sugerido resultados parecidos. Um estudo realizado na Alemanha, por exemplo, em abril, descobriu que os pacientes eram altamente infecciosos nos sete primeiros dias depois do aparecimento dos sintomas. Mas após o 8º dia, eles não tinham mais a capacidade de contagiar outros, apesar das altas cargas virais detectadas no teste PCR.

Mudanças na política de alta dos pacientes

Os resultados obtidos na pesquisa podem contribuir para mudar a política de alta de pacientes adotada atualmente em Singapura. No momento, a liberação se dá apenas no momento em que eles testarem negativo para a doença e não pela infecciosidade. Caso os critérios de alta sejam revistos, levando em conta os dados do estudo, o tempo de internação nos hospitais pode ser reduzido consideravelmente no país. É importante ressaltar que o estudo não aborda a infecciosidade dos assintomáticos e pré-sintomáticos, mas sugere que as pessoas infectadas e sem apresentar sintomas possam ter padrões virais semelhantes aos descritos. // Tecmundo.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Horror: Jogador mata filho de 5 anos, no hospital, ao saber que o garoto contraiu Covid-19

Um caso de assassinato chocou toda a Turquia. Cevher Toktas, um zagueiro de 32 anos que atua no Bursa Yildirim, das divisões semiprofissionais do país, se entregou à polícia e admitiu, nesta terça-feira, que assassinou o próprio filho, de cinco anos, em um hospital. No dia 23 de abril, Cevher levou o filho, Kasim, para o hospital. O menino apresentava febre e problemas respiratórios e, por isto, foi internado e isolado em um hospital com suspeita de coronavírus.

O garoto morreu poucas horas depois de ter dado entrada no estabelecimento e o Covid-19 foi apontado como a causa da tragédia. Contudo, neste mês, Cevher contou a verdade do caso. Quando a sala que Kasim estava internado ficou vazia, o jogador o sufocou até a morte, como o próprio afirmou em documento divulgado pelo jornal “Daily Sabah”. – Coloquei uma almofada na cabeça do meu filho, que estava deitado de costas. Pressionei por 15 minutos sem parar. O meu filho resistiu durante algum tempo. Quando parou de se mexer, levantei a almofada. Então, chamei os médicos para que não suspeitassem de nada – admitiu.Como o menino estava internado com suspeita de COVID-19, o vírus foi apontado, de primeira, como a causa da morte de Kasim. Como não houve autópsia, Cevher saiu do hospital sem levantar nenhum tipo de suspeita.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

:: LEIA MAIS »

Covid-19: Japão aprova Remdesivir para tratamento e libera distribuição em larga escala

Imagem

O ministro da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão, Kato Katsunobu, afirmou hoje (12) que o governo começou a fornecer a recém-aprovada droga Remdesivir a instituições médicas para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus. Nesta terça-feira (12), Kato declarou que a entrega do antiviral fornecido por sua fabricante americana havia sido iniciada no dia anterior.

O Remdesivir é o primeiro medicamento autorizado pelo Japão para o tratamento de pacientes com a covid-19. Sua aprovação foi acelerada na semana passada, após somente três dias de avaliação, depois de a droga ter sido aprovada para uso emergencial nos Estados Unidos. O Ministério da Saúde do Japão planeja administrar o antiviral somente em pacientes com sintomas graves. Segundo o ministro Kato, as autoridades vão checar dados disponíveis online sobre pacientes elegíveis em hospitais para que os suprimentos cheguem adequadamente aos que necessitam do medicamento. // Agência Brasil

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Combate ao Coronavírus: empresa chinesa cancela compra de 600 respiradores contratados para a Bahia e o Ceará

A compra de 600 respiradores artificiais pelo Consórcio Nordeste, grupo que reúne os nove governadores do Nordeste Brasileiro, foi cancelada pela empresa chinesa que produz o equipamento. O material seria distribuído entre a Bahia, que receberia 400 unidades, e o Ceará, que ficaria com os outros 200. O valor do contrato era de R$ 42 milhões. “A operação de compra dos respiradores foi cancelada unilateralmente pelo vendedor. Nesse momento, estamos buscando novos fornecedores”, informou a assessoria da Casa Civil do Governo do Estado da Bahia. Segundo o órgão, a empresa não deu explicações sobre o motivo do cancelamento. Na última quarta-feira (1º), o governador da Bahia, Rui Costa, queixou-se do comportamento de alguns fornecedores de insumos para o combate ao coronavírus durante uma live. “Não temos ainda todos os equipamentos. Compramos, mas algumas compras foram canceladas pelo fornecedor, outras adiadas e outras com data marcada”, afirmou. Rui Costa também criticou os preços praticados por empresas de produtos médicos. Ele usou como exemplo os termômetros digitais infravermelhos, utilizados para medir a temperatura corporal em locais como aeroportos. Segundo o governador, o produto custava R$ 160 três semanas antes. No momento de sua declaração, estava sendo vendido a R$ 650.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Horror: Enfermeiro mata a namorada médica. “Ela me passou coronavírus”, justificou

O enfermeiro Antonio De Pace, de 28 anos, assumiu ter matado a própria namorada, a médica recém-formada, Lorena Quaranta, de 27, na Itália. De acordo com uma publicação do Daily Mail, o crime aconteceu em um apartamento e o homem ligou para as autoridades logo na sequência. Ele ainda tentou se suicidar cortando os pulsos, no entanto, foi socorrido e, ainda atordoado, confessou ter matado a namorada. O crime aconteceu na região de Furci Siculo, que fica na maior ilha do mediterrâneo, na Sicília.

Eles trabalhavam no mesmo hospital em Messina e se dedicavam ao atendimento de infectados pelo coronavírus. Depois do crime, o casal foi testado para a doença, mas os exames não apontaram diagnóstico positivo para o Covid-19. Antes do crime, Lorena chegou a publicar em suas redes sociais um texto sobre a morte de 41 médicos italianos por Covid-19. “Agora, mais do que nunca, precisamos demonstrar responsabilidade e amor pela vida. Vocês devem demonstrar respeito por si mesmos, suas famílias e o país. Vamos ficar todos em casa. Vamos evitar que o próximo adoecer seja um ente querido ou nós mesmos”, escreveu a médica.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

:: LEIA MAIS »

Covid-19: Universidade da China diz que vacina baseada em anticorpos está “muito próxima”

Um grupo de cientistas chineses da Universidade Tsinghua, de Pequim, anunciou nesta quarta-feira (1) que está mais próximo da descoberta de um medicamento capaz de prevenir o covid-19 e também de curar pacientes que já estão com a doença. Segundo os cientistas, o medicamento que está sendo desenvolvido a partir de anticorpos identificados em diversos experimentos, e que foram considerados extremamente eficazes nos tratamentos a pacientes na China.

Um dos membros do grupo que desenvolve o projeto é Zhang Linqi, que em entrevista à agência chinesa Xinhua, que sua equipe isolou 206 anticorpos monoclonais, que “mostraram grande capacidade de se ligar às proteínas do coronavírus”. O cientista também explicou que alguns mostraram resultados melhores que outros, por isso, o trabalho agora está sendo o de identificar quais são os anticorpos mais poderosos, para combiná-los e atenuar o risco de que o vírus sofra mutação. Zhang afirma que, se tudo correr bem, esses anticorpos serão produzidos em massa para testes já nas próximas semanas, primeiro em animais e depois em humanos. O grupo de especialistas fez uma parceria com a empresa de biotecnologia chinesa-estadunidense Brii Biosciences. Segundo o cientista chinês, a previsão é de que o medicamento poderia estar pronto dentro de seis meses.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Covid-19: Cientistas descobrem que maioria dos infectados tem deficiência de Vitamina “D”

A vitamina D pode ter um papel importante no tratamento e prevenção da Covid-19, sugere um estudo da Universidade de Turim divulgado nesta quinta-feira (26), que analisou a relação entre a deficiência deste nutriente no corpo e o novo coronavírus. Coordenado pelo professor Giancarlo Isaia, docente em geriatria e presidente da Academia de Medicina da cidade italiana, e por Enzo Medico, professor de histologia (estudo de tecidos), a pesquisa mostrou que “dados preliminares coletados nos últimos dias em Turim indicam que os pacientes com a Covid-19 apresentam uma prevalência muita alta de deficiência de vitamina D”.

Os dados apurados na pesquisa, segundo os dois especialistas, mostraram que a vitamina D tem papel ativo na regulação do sistema imunológico. Outras evidências indicam que o composto tem um efeito “na redução do risco de infecções respiratórias de origem viral, inclusive na do coronavírus”. O elemento também teria capacidade de combater danos pulmonares causados por inflamações. Ter vitamina D suficiente no organismo também “pode ser necessário para determinar uma maior resistência às infecções de covid-19, (possibilidade) que, apesar de haver menos evidências científicas, pode ser considerada verossímil”, escrevem os pesquisadores. A falta da molécula no organismo é ainda frequentemente associada a diversas doenças crônicas que podem reduzir a expectativa de vida em idosos, “tanto mais no caso de infecções da covid-19”.

Na Itália, a falta de vitamina D afeta grande parte dos habitantes, especialmente os mais idosos, cujo país tem a segunda maior população do mundo, depois do Japão. Os mais velhos fazem ainda parte do grupo de risco do novo coronavírus. Fortemente a atingida pela pandemia, a Itália já registrou o maior número de mortes do mundo em decorrência da covid-19, mais de 8,2 mil. Isaia e Medico já submeteram o documento com dados da pesquisa à Academia de Medicina de Turim. No texto, eles recomendam aos médicos que, associada a outras medidas, eles garantam “níveis adequados” de vitamina D na população, “mas sobretudo em pacientes já contagiados, seus familiares, agentes de saúde, idosos frágeis, no público de residências assistenciais, em pessoas em regime de isolamento e em todos aqueles que, por vários motivos, não se expõe adequadamente à luz solar”. Além disso, os autores dizem que a administração intravenosa da forma ativa da vitamina D, o Calcitriol, também pode ser considerada em pacientes da doença respiratória covid-19, causada pelo coronavírus, com funções respiratórias particularmente comprometidas. Eles lembram ainda que a carência pode ser compensada, antes de tudo, com exposição das pessoas à luz solar pelo maior tempo possível, “em varandas e terraços, além de ingerir alimentos ricos em vitamina D e tomando preparados farmacêuticos especiais – mas sempre após consulta médica”. // Deutsche Welle.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Covid-19: Ministério da Saúde começa a contabilizar curados no Brasil. No mundo são 113 mil

Os números não param. E a cada dia também cresce o número de curados do Covid-19 em todo o mundo. Até às 16 horas da tarde desta quarta-feira, 25, mais de 113 mil pessoas haviam sido curadas. Os dados são do monitoramento em tempo real conduzido pela Universidade Johns Hopkins. A província de Hubei, na China, local onde indicam que o coronavírus surgiu, aparecia em primeiro com 60.811 altas, o maior número registrado. Em seguida, Irã com 9.625 e Itália com 9.632.

O mesmo gráfico indicava, no mesmo horário, 454.398 casos confirmados de coronavírus, sendo que China e Itália apareciam no topo da tabela, com 81.661 e 74.386 pessoas infectadas respectivamente. Além disso, o acompanhamento constava 20.550 mortes causadas pela doença. Sendo 7.503 mortes na Itália e 3.434 na Espanha. O Brasil aparecia na 19ª posição, com 2.274 casos confirmados, 47 mortes e 2 curados. Até o momento, o Ministério da Saúde não havia divulgado atualização dos dados oficiais do Governo Federal.

Di Ferrero, Tom Hanks e esposa se curaram após 15 dias de isolamento

Paraíba confirma 3 curados oficiais

O secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros revelou nesta quarta-feira (25), uma informação que serve de alento aos paraibanos em meio a todo o temor por conta do novo coronavírus. É que é até a manhã desta quarta-feira (25), o Estado da Paraíba confirmou três casos de coronavírus após o resultado de exames e os três já estão curados e foram tratados em casa. “Nós temos três casos confirmados no Estado da Paraíba. Todos eles foram tratados em casa e já terminaram o seu período de isolamento domiciliar e estão curados”, revelou Geraldo Medeiros.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

:: LEIA MAIS »